Resumão de Paris 2014

Estou demorando demais entre um post e outro, né? Desculpa aê! É que cada hora encontro uma desculpa diferente. Primeiro foi a bendita da dissertação (que eu já terminei!) e agora é o tal do casório (sim, eu vou casar!! Aêê!!). Enfim, estou de volta e pronta pra sacudir a poeira desse blog com o último post sobre nossa recente visita a Paris.

DSC_0518

Impossível resistir a Torre Eiffel

Só a título de esclarecimento, já vou logo avisando que não vou sugerir nenhum roteiro ou coisa do gênero, pura e simplesmente por total incapacidade turística dessa pessoa que vos fala. É isso mesmo, não sei fazer roteiros!  E se da primeira vez que estivemos na cidade (lá em 2010? 2011? Nem lembro) a gente não organizou nada, imagine dessa vez que foi tudo decidido de última hora. Mas, foi até bom ter sido assim, pois no final das contas descobri que o motivo da viagem transcendia o turismo (você vai entender no final do post).

Sim, mas vamos ao que interessa. Nesse post, vou sugerir dois passeios que ficaram de fora da outra vez que estivemos em Paris, por pura falta de organização minha: a Basílica do Sagrado Coração (Basilique du Sacré-Cœur) e a subida na torre da Catedral de Notre-Dame de Paris. De resto, essa visita a Paris se resumiu a pura bateção de perna que você vai poder conferir em alguns cliques que fiz.

 

Basilique du Sacré-Cœur

A Basílica do Sagrado Coração (ou simplesmente Sacré-Cœur) é uma igreja católica que fica no topo do MontMartre (o monte dos martírios), que é o ponto mais alto de Paris. Segundo o site oficial da basílica, a ideia de construir a igreja partiu de Alexandre Legentil e Hubert Rohault de Fleury que, após a derrota da França para a Alemanha na guerra franco-prussiana, de 1870, teriam sugerido a construção da basílica como pagamento de promessa  – já que eles acreditavam que a derrota deles estaria ligada aos pecados do povo. (Para saber mais fatos históricos Clique Aqui)

A igreja é uma pintura de tão linda e, lá do alto, a gente tem uma vista privilegiada de Paris.

photo 5-3

A basílica fica a uma distância mínima da estação Gare du Nord (super pertinho mesmo) e é aberta ao público, diariamente e gratuitamente, das 06h00 as 22h30. Fotos infelizmente (mas compreensivelmente), não são permitidas no interior da igreja.

Também é possível ter acesso a cúpula da igreja, mas essa parte não é de graça e o site não informa o preço (imagino que não seja caro). A ressalva que eles fazem é que é preciso encarar 300 degraus, já que o prédio não tem elevador. O acesso a cúpula da basílica é pelo lado de fora, e funciona todos os dias a partir das 08h30 (o horário de funcionamento pode variar um pouco de acordo com o clima). Não subimos até a cúpula, primeiro porque eu nem sabia que podia (falei que sou péssima organizadora de viagem!), mas mesmo que eu soubesse, não daria pra subir pois ainda tínhamos nossas mochilas nas costas. Se alguém aí já subiu, compartilha com a gente como foi, ok?

photo 1-7

No mais, depois que saímos de dentro da igreja, ficamos ali sentados admirando a vista... (suspiros).

photo 1-8

 

Catedral de Notre-Dame

Outra parada obrigatória de quase todo mundo que visita Paris é a Catedral de Notre Dame. A igreja de estilo gótico francês começou a ser construída em 1163 e fica localizada na praça Parvis, numa ilhota chamada Île de la Cité localizada bem no meio de Paris. É um prédio lindo com esculturas e vitrais de tirar o fôlego, e cujas  torres também nos oferecem uma vista belíssima de Paris.

DSC_0453

 

DSC_0388

Da primeira vez que visitamos Paris, entramos na catedral, mas não conseguimos subir nas torres porque deixamos pra última hora e a fila estava enorme, daí quando resolvemos encarar, eles não estavam mais admitindo ninguém entrar na fila. Portanto, fique de olho no horário de funcionamento e não deixe para entrar na fila muito tarde, pois eles fecham o acesso a fila 45 minutos antes do horário de encerramento (ou talvez até antes, se necessário, dependendo do tamanho da fila).

Acesso a catedral: Diariamente, das 08h00 as 18h45 (19h15 aos sábados  domingos)

Acesso a torre: Diariamente das 10h00 as 18h30 (no verão fica aberto até as 23h00 e no inverno encerra mais cedo as 17h30) – É aconselhável checar o site (aqui) para mais informações sobre feriados e outras variações de horário.

Lembrando que a visita a catedral se dá pela porta da frente mesmo e é de graça, mas o acesso as torres é por uma portinha na lateral esquerda do prédio e custa 8.50 euros.

DSC_0394

 

Detalhe: Para ter acesso a torre, você terá que encarar 387 degraus e a medida que vamos chegando ao topo vai ficando apertadinho. Portanto, se você está virando uma “velha-fresca-com-medo-de-altura-e-claustrofóbica” como eu, melhor se preparar psicologicamente. Lembram do meu piripaque na London Eye (contei aqui como foi)? Pois bem, aconteceu de novo e teve uma hora que quase dei uma tonteira. Nada tão grave que dois minutinhos respirando fundo não resolvesse, mas já fica aqui o aviso aos claustrofóbicos de plantão.

DSC_0439

Do alto, tirando meu medinho de nada, foi só contemplar a cidade.

DSC_0402

 

DSC_0399

Batendo perna

Tirando esses dois lugares que eu tinha que ir dessa vez, no restante de nosso passeio ficamos só zanzando, escolhendo ruas e tirando fotinhos aleatórias.

DSC_0473

A louca ataca novamente

 

photo 3-5

Capturando cenas parisienses

 

photo 2-5

Metro: "Attention au fossé"

 

photo 4-5

La Madeleine

Corria tudo dentro da maior naturalidade possível até que eu fui surpreendida com um pedido de casamento. Oooowwwn! Tá bom que eu poderia ter pensado em algo mais romântico pra dizer do que gritar: “Tá louco?????”, mas tudo bem, foi fofo do mesmo jeito. Passado o susto, amenizada a tremedeira, conseguimos fazer uns registros do momento e fechar essa passagem por Paris com chave de ouro!

 

photo 5-4

L'amour

DSC_0554

Au revoir Paris! Voltaremos em breve…

6 comments

  1. Marla Rodrigues 7 April, 2014 at 20:37 Reply

    Oi, Karine!
    Eu subi na Sacré Coeur e já vou te bater uma real: não é para você. Até eu, que não sou das mais claustrofóbicas, fiquei agoniada. Deve ser bem parecido com a Notre-Dame (que eu não subi), a escada vai ficando apertadinha, os degraus mais irregulares, um horror. Lá em cima vc vai ter uma vista bem parecida com a da Notre Dame também (e também custa uns 8 euros).

    Mas ser pedida em casamento em Paris deve ser bem bacana, hein? Essa aí eu ainda não experimentei. rs ;*

    • karineporto 8 April, 2014 at 17:53 Reply

      Marla, depois de me enrolar por 4 anos, um pedido de casamento em Paris era o mínimo!kkkkk Sobre a Sacre Coeur, conta mais aí… Valeu a pena? Tirando que agora dei pra ter ataque de frescura, acho que iria gostar de subir sim. Meu próximo desafio é atravessar o rio Tâmisa no Emirates Air Line (bondinho). Oremos! 🙂 Bjs

  2. Marla Rodrigues 11 April, 2014 at 21:51 Reply

    Ah… na boa? Acho muito sacrifício pra pouca recompensa. A escada é incrivelmente cansativa (e eu nem sofro com escadas), o espaço lá em cima é super apertado, meio sujo, e a vista é apenas OK. Vc vê a torre Eiffel e tal e é isso. Fim. Fiquei com uma cara de “uai, só isso?”. Aí qd vc pensa que tudo acabou vc tem que DESCER as malditas escadas. Achei mto pior descer, me deu até vertigem.

    Quanto ao bondinho da Emirates, da minha próxima viagem não passa. Tô indo pra Londres em setembro. Quer me esperar pra gente ir juntas? Diz que sim, siiiiimmmmmm?? 🙂

Leave a reply

Translate »